Habilidades de Nascidos dos Deuses

por Rafael “Lionheart” N. S.

 

Com a chegada da nova coleção, além de cards novinhos para completar nossos já presentes decks/estratégias e/ou nascer novos(as) (já ouvi a cogitação de um UB Mill sendo estudado graças a um novo Deus), também contamos com mais uma parte da história, que é contada em partes pelas cartas, entre outros meios, e fora o livro (que é muito difícil de ser encontrado no Brasil, e mesmo assim, só em cópias em inglês).

 

Essa coleção volta com as já conhecidas: Devoção, Agraciar, Heroico e Vidência, além de duas novas habilidades Inspirado e Tributo.

Inspirado: pode ser desencadeado sempre que a permanente que possui essa habilidade é desvirada.

Nova carta com a habilidade de Inspirado

Nova carta com a habilidade de Inspirado

Algo importante, mas que vi muita dúvida; sim. A criatura precisa estar virada para desencadear a habilidade. Não adianta simplesmente dar um “desvire a criatura alvo” numa criatura desvirada para ativar essa habilidade.

Em relação a essa habilidade, vi muita duvida se ela vai rodar ou não.

Vidente da dor por exemplo, é uma “cópia” de uma carta (Confidente Sombrio) que fez muito sucesso na época (e faz até hoje). Mas possui o detalhe que precisa ser virado para ativar seu efeito.

Nada que um simples atacar não resolva. Mas se dependermos do atacar para virá-lo, podemos perder nossa criatura ao ser bloqueado por algo maior que ele. O que o torna meio ineficaz dependendo do que se encontra na mesa do oponente.

Fora o detalhe, que ele perde um turno a mais para desencadear a habilidade que seu “irmão”.

 

Tributo: você deixa seu oponente decidir o que é menos pior para ele, uma criatura com X marcadores (dependendo do poder de tributo) ou uma criatura com efeitos extras.

Nova carta com a habilidade de Tributo

Nova carta com a habilidade de Tributo

Fênix do Manto Flamejante, por exemplo, por quatro manas, ou o oponente se deparar com um 5/5 com voar ou com um 3/3 voar, ímpeto e que volta pra mão ao morrer.

Resta ver o quão essa nova coleção vai revolucionar os formatos, e suas principais estratégias.

 

Um bom jogo a todos.

Jogo: Chrono Trigger

por Rafael Lionheart

 

Chrono Tigger

Chrono Tigger

Ficha Técnica

Fabricante: Square

Ano: 1995

Categoria: RPG

 

Personagens do jogo

Personagens do jogo

Chrono Trigger, na minha modesta opinião é um dos enredos mais bem trabalhados da história dos jogos. Desde a criação dos personagens que possuem suas histórias e características únicas, assim como as tramas bem elaboradas, e uma história envolvente.

Desenvolvida por uma equipe de campeões: Akira Toriyama (quem jogar ou jogou pode perceber que os personagens lembram bem os de Dragon Ball), Yuji Hori (o grande veterano da serie Dragon Quest), Hironubu Sakaguchi (criador da saga Final Fantasy) entre outras grandes nomes de sucesso da Square.

O enredo Conta a história de Crono, um garoto comum que vive bem na virada do milênio (ano 1000 DC), que começa sua aventura ao “esbarrar” com uma garota loira, e acidentalmente fazer uma viagem longa (tipo, 400 anos no passado). Um acidente que causa um pequeno paradoxo temporal (explicado no jogo). Durante essas viagens temporais, o grupo descobre que seu mundo será destruído no ano de 1999, e então vem a corrida em várias eras (o mais interessante é que sempre no mesmo mapa) para tentar impedir o dia do apocalipse.

A primeira viagem

A primeira viagem

O jogo conta com vários personagens de todas as eras desde o tempo pré-histórico 65.000.000 AC até o futuro tecnológico (porém devastado) 2.300 DC.

 

O mais interessante, é que cada viagem ao passado, influencia em algo no futuro:

 

(OBS: SPOILER NESSA PARTE DO TEXTO)

Certas coisas eventos são obrigatórios, como a primeira viagem, um personagem deixa de existir pois sua ancestral sumiu, e ela tomou o lugar. Logo se a ancestral não existe, ela não tem como nascer, e você precisa consertar isso.

Outras coisas são opcionais, como por exemplo, você vai conhecer a mãe de um personagem, e ver que ela é paralítica, e em determinado momento, você voltará ao momento como isso aconteceu, e terá a chance de intervir.

Outro fator interessante, é que em determinado momento, o personagem principal simplesmente morre, e para finalizar o jogo, é opcional trazê-lo ou não de volta.

(FIM DOS SPOILER)

 

Outro lance interessante, é que o jogo dá vontade de finalizar várias vezes, afinal, ele possui 13 finais com variações, dependendo de quando (e como) você finaliza o jogo.

Após o final completo (zerando o jogo com todos os personagens e realizando praticamente todas as quests opcionais), abre uma opção de “new game +”, que permite começar o jogo do começo, com todos os itens, armas e níveis de um jogo salvo (facilitando assim fazer outros finais, já que a maioria deles é feita bem no começo do jogo, onde normalmente não se tem nível ou equipamento suficiente para enfrentar o ultimo chefe).

Cada final varia do momento do jogo em que se é feito (lembrando que alguns são exclusivos do new game +), e também tem influência qual personagem esta presente no momento (afinal alguns estarão no grupo dependendo de suas escolhas), e algumas side quests também influenciam nos finais.

O jogo também conta com um Remake para Playstation que acrescenta cenas em forma de anime (que após finalizar o jogo, essas cenas podem ser vista a parte, quando quiser).

Crono e Marlene

Crono e Marlene

Ayla

Ayla

Também conta com um remake para Nintendo DS. Essa versão conta com um final a mais, onde é explica a conexão do Chrono Trigger com Chrono Cross (essa final está aqui para quem quiser conferir, e não tiver a versão do DS).

 

Bom pessoal… é isso.

E até a próxima.