Theros – novo bloco, novas habilidades

por Rafael Lionheart

 

Bom pessoal, a partir dessa sexta (27/09/2013) Theros passar a valer oficialmente no Standard (T2), tomando o lugar de M13 e o bloco Innistrad.

E para que todos possam aproveitar melhor essa troca que tal darmos uma olhada nas novas habilidades?

 

Heroico

Heroico

Heroico

Heroico é uma habilidade desencadeada que sempre ativa quando você conjurar qualquer magia que tenha como alvo a criatura heroica, incluindo mágicas com mais de um alvo.

Se uma magia tem múltiplos alvos e os alvos têm habilidade Heroico, então todos eles serão desencadeados.

Lembrando ainda, que Habilidades ativadas (como Equipar), não desencadeiam a habilidade Heroico.

 

Agraciar

Agraciar

Agraciar

Ao conjurar uma criatura com a habilidade de Agraciar, temos duas opções:

1 – conjurar normalmente pelo seu custo convencional;

2 – conjurá-la pelo custo de Agraciar.

Se você conjurar normalmente, ela será uma mágica de criatura encantamento que ao entrar em jogo, será uma criatura encantamento. A habilidade de Agraciar e o texto “A criatura encanta recebe…” são ignorados.

Caso opte pelo custo de Agraciar, ela terá o custo indicado pelo Agraciar, ela nunca será considerada uma mágica de criatura. Ela será conjurada como uma mágica de Aura com encantar criatura e você deve escolher um alvo válido para fazê-la. Caso a criatura que foi alvo tenha a habilidade Heroico, ela será desencadeada.

Caso a criatura que seria encantada deixar o campo antes que a mágica esteja completa, a mágica de Aura será considerada uma Criatura encantamento e não seria anulada, como aconteceria com uma Aura comum. Se o alvo ainda estiver em campo quando a Aura for resolvida, ela entrara em jogo como uma Aura, encantando aquela criatura.

Se a criatura encantada sair do campo por algum motivo, a Aura imediatamente se torna uma criatura encantamento antes de ir para o cemitério.

 

Monstruosidade

Monstruosidade

Monstruosidade

Você pode ativar a habilidade de Monstruosidade a qualquer momento que você puder pagar por ela.

Ao ativar a habilidade de monstruoso, vale lembrar que ela só resolve caso a criatura não seja monstruosa. Caso ela já seja monstruosa (tentar ativar a habilidade duas vezes seguidas, ou qualquer outra coisa) a habilidade é ativada, mas a criatura não recebera os bônus nem ativará os efeitos extras.

Caso ainda não seja, ela se torna monstruosa e recebe uma quantidade de marcadores +1/+1 de acordo com o número de sua monstruosidade. Ou seja, se ela tiver monstruosidade 2, quando ativada a habilidade, ela receberá 2 marcadores +1/+1.

Se a habilidade for anulada de algum modo, a criatura não recebe os marcadores e nem se torna monstruosa, logo a habilidade de Monstruosidade pode ser ativada novamente.

Algumas criaturas têm habilidades que são ativadas quando elas se tornam monstruosas, melhor dizendo, quando a Monstruosidade for ativada (com sucesso) pela primeira vez.

 

Vidência

Vidência

Vidência

Habilidade do bloco Mirrodin, reapareceu em Visões do Futuro, e mais uma vez aparece aqui. Mas pra que não esta familiarizado com ela, lá vamos nós.

Vidência permite você olhar os X cards do topo do seu grimório (sendo X o numero da vidência), e colocar quantos quiser no fundo(esse quantos quiser pode ser 0), e o resto no topo. Ambos em qualquer ordem

Como a Vidência 2, você olha as 2 cartas do topo de seu grimório, podendo devolvê-las nas seguintes formas:

2 no topo do grimório em qualquer ordem;

1 no topo e uma no fundo do grimório;

2 no fundo do grimório.

 

Devoção

Devoção

Devoção

Devoção a uma cor é igual ao numero de símbolos de manas daquela cor dentre as permanentes que você controla. Cartas multicoloridas contam para cada uma das cores de mana em seu custo. Exemplo:

Permanente com custo 2W adicionaria 1 a sua Devoção ao branco.

Permanente com custo BBB adicionaria 3 a sua Devoção ao Preto.

Permanente com custo 1UR adicionaria 1 a sua Devoção ao azul e 1 a sua devoção ao vermelho.

 

W = White (branco)

U = blUe (azul)

B = Black (preto)

R = Red (vermelho)

G = Green (verde)

0123456789X = INCOLOR

 

Devoção conta apenas no CUSTO das suas permanentes (nada de habilidades, efeitos, geradores de mana, etc…).

Uma permanente com custo R/G R/G adicionaria 2 vermelhas e 2 verdes a Devoção das respectivas cores, como seria o caso do nosso Emissário da Árvore-Flamejante.

 

Deuses

Os cinco deuses

Os cinco deuses

Os cinco deuses de Theros aparecem como Criaturas encantamentos Lendários com o tipo DEUS. Mas eles não se manifestam como criaturas até que seu custo de devoção seja alto o suficiente.

Os deuses de Theros são indestrutíveis e só se tornam criaturas quando sua devoção for alta o suficiente.

Se um deus entra em campo enquanto a devoção é menor que o necessário, as habilidades que ativam com a entrada de criaturas em jogo não serão ativadas.

Caso um deus esteja em jogo e você tenha devoção suficiente e de repente um oponente destrói uma das permanentes (diminuindo sua devoção abaixo do necessário), o deus deixa de ser criatura naquele exato momento.

Um deus não pode atacar no turno que entra em jogo a menos que tenha Ímpeto, mesmo se ele não fosse criatura no momento que entrou no campo de batalha.

Deuses são sempre encantamentos lendários e suas habilidades funcionam sendo eles criaturas ou não.

 

Encantamentos em Theros

Esse bloco aparece com varias “criatura encantamento” e “artefato encantamento”. Então vale lembra que se algo que afete apenas um desses tipos como Lamina da Destruição (destrói criatura alvo criatura) pode destruir a criatura encantamento.

Do mesmo modo Naturalizar (para encantamento) pode destruir uma criatura encantamento ou artefato encantamento.

 

Obrigado a todos(as).

Anúncios

Magic — Pré Release de Theros

por Rafael Lionheart

 

E iniciando mais um ciclo na fase do Magic, temos o pré release de Theros, que será realizado nos dias 21 e 22 de setembro de 2013.

Quem desejar participar receberá um Pacote de pré release de Theros para construir um deck.

Os pacotes são definidos pelos caminhos do herói, e cada jogador receberá o seguinte (baseado no caminho que escolher):

5 boosters de Theros

1 booster escalado

1 card promocional

1 cartão de atividades “escolha seu caminho”

1 marcador de pontos de vida Spindown

1 carta de boas-vindas do “Caminho do Herói”

1 Card de Herói

 

Para este evento, os jogadores podem utilizar no deck do torneio os cards promocionais incluídos em seus pacotes de pré release.

 

Cards promo de Theros

Cards promo de Theros

 

A premiação: cada torneio de pré release de Theros incluirá dois boosters de Theros por jogador. Entrem em contato com o organizador do torneio de pré release local para obter informações específicas sobre o evento, a taxa de inscrição e a distribuição de prêmios.

Além do evento principal do Torneio de pré release, algumas lojas também podem oferecer duelos abertos.

 

Duelo Aberto — cada participante do Duelo Aberto recebe:

1 Première Pack de Theros

 

Os participantes do Duelo Aberto usam o Première Pack para jogarem uns contra os outros, assim como contra os jogadores do torneio de pré release que estiverem esperando pela próxima partida. Todos os jogadores devem ser incentivados a ajudar os participantes do Duelo Aberto a aprender a jogar Magic.

O pré release de Theros será também a primeira oportunidade dos jogadores ganharem um Card de Herói, que será usado para Enfrentar a Hidra no Game Day de Theros.

 

As cartas de herói de Theros

As cartas de herói de Theros

E boa diversão pra quem for participar

 

Blog Espada Arco e Machado comemora um ano! Vejam entrevista com os autores e uma surpresa que estamos planejando…

Pois é, pessoal. O blog comemora 1 ano de existência. De lá pra cá, o que me dizem em um breve balanço desde o nosso primeiro trabalho publicado?
Davi: só o fato de termos chegado a 1 ano quer dizer muito a meu ver. Nos dedicamos e fizemos o que tínhamos como meta desde o início, que foi escrever sobre coisas do mundo nerd que tanto curtimos.

Fernando: muitos baixos, e alguns altos. Gosto de pensar que independente do público ler/gostar/comentar, o artigo foi feito e as ideias e exposições foram feitas, mesmo assim quando tem baixos retornos, ou quando não se termina um artigo a tempo (history of my life), bate aquele desânimo. Em compensação quando a publicação é boa, sai na dia correto e o tem uma boa resposta, isso dá um ânimo novo.

Rafael: Infelizmente não temos tempo para nos dedicarmos tanto quanto gostaríamos, mas mesmo assim, estamos sempre postando, compartilhando e aprendendo. Apesar do pouco que fazemos, vemos que sempre tem quem nos acompanhe, o que nos dá animo para não desistir e tentar sempre melhorar.

Em algum momento pensaram em desistir? O que os manteve até hoje?
Davi: já pensei sim. Mas era passageiro. O desejo de expressar a minha opinião e a ajuda dos caras ou de amigos contribuíram bastante.

Fernando: Eu já desisti, mas os rapazes me dissuadiram a continuar, mesmo que com uma frequência menor de publicações, ainda vou melhorar o ritmo, mas prefiro fazer direito a fazer no prazo.

Rafael: Acredito que todos, em tudo quase tudo que faz, bate um desânimo no começo e a vontade de desistir. Mas apesar das adversidades, e de todo começo difícil, saber que há alguém acompanhando, dá vontade de escrever (se esses “alguéns” gostam ou não é outra história… risos).

Qual foi o artigo que vocês mais gostaram de escrever e o que menos gostaram?
Davi:
nunca tive um artigo do qual eu não tivesse gostado, por mais curto ou sucinto que ele tivesse sido. Todavia o que mais gostei foi o do desenho Avatar segundo a ideologia de J. Campbell e o do mangá Mär Heaven, que me ajudou bastante a fazer uma crítica ao que é o mundo dos mangás e animes.

Fernando: os meus primeiros artigos eram muito longos e talvez não tenham uma boa estrutura. Gostei de escrever sobre o Pacific Rim, pois me senti uma criança vendo o filme e acho que consegui passar isso, o do Ghost in The Shell também foi maneiro, principalmente por me ajudar a decidir que queria jogar RPG em um cenário Cyberpunk.
Rafael: Apesar de ser fã da seria Final Fantasy, e ter adorado escrever sobre eles (PS: ainda não terminei esse post, faltam os filmes e séries XD), acho que adorei falar sobre o Chrono Trigger. Ele junto com FF VI possuem uma ótima história que dá vontade de sempre rever.
Qual artigo dos outros vocês mais gostaram de ver?
Davi:
do Rafael os que eu mais gostei foram os básicos do Magic e as novas regras. E não que o Fernando não escreva bem (eu já disse a ele várias vezes para ele arriscar uma carreira de contista ou romancista), mas a contribuição dele no artigo sobre Star Trek e o dele mais recente sobre Ghost in the Shell foram muito legais pela capacidade argumentativa dele.
Fernando: o Rafa o artigo sobre Chrono Trigger e aquele sobre FF do VII ao IX. Ambos falam de jogos que marcaram nossa juventude. Do Davi, a resenha de O Caçador de Androides foi muito bacana (Cyberpunk rules!) e também do Avatar e do Campbell, mas se rever todos os artigos essa lista pode aumentar. A verdade é que cada artigo foi mais que uma contribuição e tem um valor enorme.

Rafael: Os últimos de meus amigos, digamos que fiquei na vontade de ler O Cavaleiro Fantasma e ver Círculo de Fogo, depois dos artigos (risos).
Quais artigos gostariam de escrever até 12/09/2014, quando o blog completa 2 anos?
Davi:
penso que seria legal se eu puder ler a tempo toda a minha coleção “As Sete Faces” e escrever sobre ela. A meu ver, ela é a coleção Vagalume que eu nunca tive (risos).

Fernando: espero escrever sobre todas as séries que estou assistindo e todas que QUERO assistir. Também espero falar mais sobre RPG, principalmente os mais recentes adquiridos por mim da Editora Retropunk: Espírito do Século e Savage Worlds.

Rafael: espero poder aumentar, em mente tenho ideia de falar sobre a segunda vida dos nerds, ou se preferirem, MMO.
Qual recado vocês querem deixar para os leitores?
Davi:
obrigado a todos(as) e espero que continuem nos acompanhando. Gostaria que mais pessoas comentassem sobre os nossos textos e pudéssemos interagir mais. Mas se não querem, eu respeito. A atenção de vocês já é um grande prêmio.

Fernando: não desistam de nós e bons sonhos!

Rafael: Foco, fé, força, e muito ovo frito (piada interna rsss). E um grande obrigado a quem nos acompanha, e se quiserem mandar criticas, sugestões ou reclamações, estamos aqui pra isso.

1 ano

E a tal surpresa, vocês podem conferir aqui.

Ghost in the Shell: ou, realidade, descendência, mudança e o que há de melhor no Sci-Fi

Por Fernando Loiola

 

Há muito tempo quando fiquei sabendo que existia uma animação chamada Ghost in the Shell eu sabia que iria querer assisti-la, isso por que a colocavam na mesma categoria de Akira. Agora, mais de 15 anos depois, finalmente superei todos os contratempos e preguiças ligadas a minha intenção de ver a obra de Masamune Shirow e vi Ghost in the Shell, e digo, ainda bem, pois agora tenho maturidade pra contemplar toda a magnífica obra cyberpunk que ela é.

O cyberpunk é um gênero literário que vêm dos loucos anos 80 e fala de futuros pessimistas, tecnologia avançada no imaginário da época, Megacorporações que se misturam com governos, sujeira e miséria urbana. Seus precursores foram Neuromancer, obra de William Gibson. Mas algumas das obras mais emblemáticas pertencem a Philip K. Dick, como Minority Report, Vingador do Futuro e o que muitos chamam de obra máxima do gênero, Blade Runner. No RPG, o gênero tem títulos poderosos como o próprio Cyberpunk 2020 e o Shadowrun, além do manual obrigatório para rpgistas independente do sistema, GURPS Cyberpunk. Entre os filmes, vale destacar o “foderoso” Robocop de Paul Verhoeven, e o blockbuster Matrix que de original não tem nada, e chupa violentamente suas ideias e referências das obras citadas acima.

Todas essas histórias trazem críticas sociais e questionamentos filosóficos sobre a realidade, existência e a vida.  Logo, carregam o cerne de uma boa ficção científica. E Ghost in the Shell tem tudo isso e ainda mais.

Na obra cyberpunk de Shirow, é impressionante como os seres humanos (ou parecidos) são retratados

Na obra cyberpunk de Shirow, é impressionante como os seres humanos (ou parecidos) são retratados

A história se passa em um futuro onde implantes cibernéticos e são viáveis e comuns, toda essa tecnologia pouco tem feito pelo avanço do desenvolvimento “humano” as cidades são superpopulosas e sujas, as pessoas se importam mais com seus gadgets do que com as pessoas do outro lado da rua, seus cibercerebros fazem link automaticamente com a rede e com outros usuários ou mesmo veículos. Dentro desse contexto vamos fazer a seguinte reflexão: ter lembranças tão vividas e intensas não as tornam reais? A interpretação de dados não é o mesmo que o nosso próprio cérebro faz com os impulsos elétricos quando percebe o mundo ao nosso redor? E se alguém pudesse manipular suas próprias memórias, anseios, medos? Imagina alguém com tal capacidade acessando secretamente as suas memórias e mudando a SUA VIDA! Com esse mote primário conhecemos a Major Motoko Kusanagi. Uma ciborgue de altíssimo nível que trabalha para o Setor 9 em Tóquio. Então o ciberterrorista mundialmente conhecido denominado “mestre das marionetes” que invade as memórias de outras pessoas, manipulando-as, e usando-as para cometer seus crimes e escutar Metallica (desculpem, não resisti). A partir daí, a trama se desenvolve para conspirações governamentais, o que é a vida, liberdade e descendência, esse último com um foco especial. Não vou entregar mais nada do roteiro para não estragar para quem ainda não assistiu, mas vale citar uma virada interessante e um final inesperado e opressivo, como deve ser o cyberpunk, não é exatamente um final feliz apesar de tudo.

Major Motoko Kusanagi

Major Motoko Kusanagi

É uma obra magnífica, não tem ação desenfreada e desmedida, além de carregar todos os conceitos citados acima. Vale tanto para quem é fã do gênero como para  quem quer conhecer. Fica a dica.

Bons sonhos!!